sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Nassif: Quatro fatores na demissão de Serra

José Serra é um político à deriva. É detestado no PSDB, suportado no governo Temer e se tornou eleitoralmente irrelevante. Tão irrelevante que a última sondagem CNT sequer o incluiu nas fichas de presidenciáveis.

Por Luis Nassif, no Jornal GGN

  Seu pedido de demissão deve-se aos seguintes fatores:

Fator 1 – a irrelevância de sua atuação à frente do MRE

O insuspeito O Globo relacionou todos os fatos relevantes da gestão Serra no MRE. Sob o impactante título “As principais passagens de Serra no MRE”, relacionou os seguintes feitos:​

- Defesa do apoio ao governo

- Polêmica com países bolivarianos

- Proximidade com a Argentina

- Passaportes diplomáticos

- E seu grande momento: Homenagem à Chapecoense.

E nada mais havia para se dizer. O cargo, aliás, comprovou a profunda ignorância de Serra em relação a qualquer tema contemporâneo. Em uma das áreas mais sensíveis, para a reaproximação com os Estados Unidos, não logrou nenhum protagonismo. Sua insegurança era tal que chegou a levar Fernando Henrique Cardoso em um dos primeiros encontros de confronto do Mercosul, pela incapacidade de desenvolver um discurso minimamente eficaz.

Na vitrine o MRE, além disso, ficou escancarada sua baixíssima propensão ao trabalho. Serra é de acordar tarde, dormir tarde e não tem pique gerencial. Por isso, em cargos executivos acaba restringindo sua agenda diária a encontros insossos com um ou outro secretário.

Fator 2 – sua irrelevância política

Serra é detestado no PSDB, aturado no PMDB e descartado no governo Temer. No Palácio, era alvo de piadas e gozações da trupe de Temer, a julgar pelos relatos do mais assíduo dos comensais, Jorge Bastos Moreno.

Havendo eleições em 2018, o PSDB teria Geraldo Alckmin ou Aécio Serra e Temer—PMDB apostará em Henrique Meirelles.

A volta para o Senado devolve Serra ao seu habitat natural. Seu maior mérito foi o de sempre ter-se cercado de bons assessores para as atividades parlamentares.

Fator 3 – a Lava Jato

Ao longo de sua carreira, Serra sempre amarelou em momentos graves. Apesar de se dizer defensor de câmbio competitivo, enquanto Ministro do Planejamento de FHC desapareceu das discussões públicas. Anos depois, Gustavo Franco confessaria seu espanto com o baixo nível de informação econômica de Serra.

No governo de São Paulo, as principais crises foram enfrentadas assim:

- Na greve da USP, mandou a Polícia Militar retirar estudantes a cacetada.

- Na greve da Polícia Civil, que cercou o Palácio Bandeirantes, recuou rapidamente de sua decisão de não receber grevistas e acabou premiando-os com mais do que as próprias propostas da categoria.

- Nas enchentes que assolaram o Estado, sumiu. Não presidiu uma reunião sequer da defesa civil, não veio uma vez sequer a público comandar os trabalhos do governo. Quando saiu candidato a presidente, demonstrou não conhecer sequer o conceito de Defesa Civi.

Com as investigações da Lava Jato batendo na sua porta, o pânico é evidente. Até algum tempo atrás, Serra mantinha em casa uma coleção de obras de arte capaz de provocar inveja até em ricos de verdade, como Roberto Civita, dono da Abril. A quebra do sigilo do fundo de investimento de sua filha Verónica certamente teria um efeito devastador sobre seu futuro.

No Senado, Serra voltará a ser mais um dentre muitos – e não um Ministro exposto. E terá tempo para tentar recompor seus laços com a Polícia Federal e o Ministério Público Federal, que lhe permitiram, em outros tempos, montar dossiês mortais e ações policiais contra adversários políticos.

Fator 4 – a doença

Em praticamente todas as fotos em que aparece, como chanceler, há a expressão do olhar vazio, da falta de energia, indicando claramente problemas físicos. Serra alega ter dores na coluna que o impediria de efetuar viagens longas. É provável.

Mas padece de outros problemas. Colegas tucanos apontam para uma depressão continuada. Cenas recentes – dele não sabendo declinar nomes de países que compõem os BRICs – podem indicar problemas graves de memória, mas pode ser efeito de medicamentos pesados. 

Fonte: Jornal GGN

Crash test mostra as consequências de transportar cães soltos em veículos



Centro de Tecnologia Allianz recomenda como devem ser carregados animais de pequeno e grande portesVídeo simula acidentes usando dummies de cachorros

São Paulo, 24 de fevereiro de 2017 – Para grande parte dos brasileiros, os cães são muito mais do que animais de estimação. Tanto é que no Brasil há mais lares com cachorros do que com criançasde acordo com os últimos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)São 52,2 milhões desses animais – o segundo maior número do mundo – contra 45 milhões de crianças até 14 anos. Como são considerados membros das famílias, frequentemente estão junto delas pra lá e pra cá, também precisam de atenção dentro dos veículos.

Cuidado! Cão solto

Para destacar os perigos de um cão livre no banco traseiro ou simplesmente separado por uma tela frágil, o Centro de Tecnologia Allianz (AZT), na Alemanha, realizou um teste de colisão usando cachorros de pelúcia com tamanho e peso similares aos animais reais. As réplicas Bobby e Max foram colocadas dentro do carro e o automóvel dirigido contra a parede. Max atravessou o interior do veículo e se chocou contra o painel. Bobby, o cão menor, permaneceu no banco de trás.

Se um carro bate a velocidade de 40 km/h, um cachorro pode se tornar um projétil perigoso, já que no ar é arremessado pesando 40 vezes mais. Por exemplo, um pastor alemão com 35 quilos pode bater com uma força de 1.400 quilos. O dano que isso pode causar pode ser simulado à medida que o corpo do cão é lançado contra o painel do carro e, às vezes, para fora, em direção ao para-brisas. Ou seja, pode haver consequências trágicas tanto ao animal quanto aos demais passageiros. 

Carona segura

Carsten Reinkemeyer, chefe de Tecnologia e Segurança de Veículos do AZT, recomenda proteger cães de até doze quilos com uma coleira anexada ao cinto de segurança. Os cachorros maiores devem viajar em caixas transportadoras na parte traseira do automóvel, já que podem colidir com o banco da frente se amarrados a coleiras.

As simulações do AZT mostram que prender o cão adequadamente aumentam as chances de que todos ocupantes sobrevivam a uma colisão. Além disso, conter o animal garante que, mesmo aterrorizado, não fugirá do local do acidente ou atrapalhará qualquer serviço de resgate a ser realizado. Ainda, ao prendê-lo com segurança, o motorista mantém seus olhos na estrada e suas mãos ao volante.

Sobre a Allianz Seguros

No País há 110 anos, a Allianz Seguros atua no Brasil em ramos elementares e saúde empresarial e está presente em todo o território nacional por meio de suas 58 filiais.

A Allianz Seguros é uma empresa do Grupo Allianz, um dos líderes mundiais em seguros e o maior da Europa, com presença em mais de 70 países. Além de oferecer produtos e serviços, a Allianz também se destaca na área de pesquisa de grandes riscos, estudos de sustentabilidade e nos investimentos em fontes renováveis de energia.

A Allianz SE, holding do Grupo, é membro da Transparência Internacional e apoia os princípios do Pacto Global das Nações Unidas e as Diretrizes da OCDE para Multinacionais por meio de seu Código de Conduta. A organização é uma das líderes do setor de seguros no índice Dow Jones de Sustentabilidade, listado no FTSE4GOOD e no Carbon Disclosure Leadership Index (Carbon Disclosure Project, CDP6).

Informações à imprensa

Bianca Bordignon - 11 3894-2434
Larissa Marçal - 11 3894-2427

Saúde: A sua saúde em 1º lugar - Cespe



Cespe é  uma empresa voltada na promoção da saúde individual e coletiva, buscando  a excelência em seu atendimento e executando os seus serviços com profissionais qualificados que exercem suas funções com responsabilidade, qualidade, ética e compromisso, satisfazendo a necessidade dos nossos clientes e parceiros.

MISSÃO

Atender com excelência as necessidades das empresas prestando serviços de qualidade.

VISÃO

Tornar-se uma empresa modelo em segurança e saúde ocupacional  pela sua competência, ética, preços, prazos e garantia da qualidade dos serviços.

VALORES

Valorização dos colaboradores; Transparência em seus serviços; Executar e satisfazer  a necessidade do cliente.

SERVIÇOS PRESTADOS

·        Consulta com médico do trabalho:  atestado de saúde ocupacional (ASO):
·        Admissional.  Demissional. Retorno. Periódico. Mudança de função.

Exames laboratoriais .  Exames complementares:

·        Eletrocardiograma * Eletroincefalograma * Acuidade visual * Audiometria * Espirometria * Raios x *Escleroterapia - aplicação em pequenos vazos * Laudos Psiquiátrico. * Atestado físico-mental.* Mamografia. * Prevenção  Oncológica. * Ultrasonografia

Assessoria em segurança no trabalho:

·        Visita técnica. * Elaboração dos programas: PPRA POMBO; PPP, LTCAT; CIPA  E CIPAT

Palestras:

·        Primeiros socorros e APH; Brigada e combate a incêndio. * EPIs e EPCs

Consultas com Especialistas:

Clínico Geral. * Ginecologista, * Otorrinolaringologista. * Geriatra. * Pneumologista. *Psiquiatra. * Cardiologista. * Nutricionista. *Psicólogo. * Outro


quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Ladeiras de Olinda recebem a tradicional lavagem do bloco Vassourão para o Carnaval



As ruas do Sítio História de Olinda foram lavadas e perfumadas na manhã desta quinta-feira (23) por cerca de 100 garis da Secretaria de Serviços Públicos do Município. Há 24 anos o Bloco Vassourão de Olinda faz a tradicional lavagem das ladeiras no dia em que a Marim dos Caetés abre o seu Carnaval. A concentração aconteceu em frente ao Mercado da Ribeira e seguiu em direção ao Varadouro, com uma paradinha estratégica para deixar tudo limpo e perfumado na frente da sede da Prefeitura, na Praça Monsenhor Fabrício.

Para a lavagem das ladeiras, os integrantes do Vassourão usaram 16 mil litros de água e 240 litros de essência de eucalipto. Os garis foram animados ao som do frevo da Orquestra Villa-Lobos. A limpeza vai se repetir todos os dias do Carnaval para manter as ladeiras sempre higienizadas e prontas para receber os foliões que enfrentam o sobe e desce da Cidade Alta.



A partir deste sábado, a varrição do Centro Histórico de Olinda será realizada das 3 da madrugada às 9 horas da manhã. Neste horário, cerca de 300 homens também farão a lavagem das ladeiras. Devem ser usados 30 mil litros de água, seis mil litros de essência e 15 caminhões de coletores de resíduos. Por dia de folia, a expectativa é recolher aproximadamente 40 toneladas de lixo apenas na Cidade Alta. Esse volume representa 10% do que deve ser recolhido em toda Olinda durante os dias de Momo.



Durante o Carnaval, a Secretaria de Serviços Públicos de Olinda colocará 1.100 homens focados na limpeza e manutenção da cidade que deve receber cerca de dois milhões de pessoas para brincar o Carnaval. A estimativa é de que o público seja 70% de brasileiros e 30% de estrangeiros.

Fotos: Divulgação Prefeitura de Olinda
-- 
Secretaria de Comunicação de Olinda
(81) 3429.2751/ 3439.9364

Baile da Orquestra Royal contará com as participações dos humoristas


Hermes e Renato

Música e humor farão o público se divertir em evento gratuito na casa de shows Granfino’s no dia 21 de fevereiro; ingressos devem ser retirados pelo site www.sympla.com.br

Baile da Orquestra Royal animará o pré-carnaval de Belo Horizonte com evento gratuito na casa de shows Granfino’s (Av. Brasil, 326, Santa Efigênia). No dia 21 de fevereiro, terça-feira, a partir das 20h, a Orquestra Royal, que conquistou repercussão nacional com marchinhas que viralizaram na internet, convidará os humoristas Hermes e Renato para um show repleto de bom humor que promete muita diversão ao público.

Inspirada nas bandas que animavam bailes e carnavais de salão do passado, mas com uma roupagem descontraída e moderna, a Orquestra Royal reúne consagrados músicos de Belo Horizonte. Com um repertório baseado em marchinhas, sambas e músicas irreverentes, o grande diferencial da banda é tocar predominante temas autorais, já que os integrantes do grupo vêm desde 2012 apresentado composições que ficaram famosas em Minas Gerais e no Brasil devido à grande repercussão na internet. Entre elas SelfoliaManja RolhaPrefeito Libera o CoolerNão Enche o Saco do Chico, que foi vencedora do Concurso Mestre Jonas 2016 e destaque na mídia, sendo noticiada até mesmo no jornal francês Le Monde e O Baile do Pó Royal, que dá nome ao conjunto e já é tema tradicional do carnaval mineiro.

O Baile e Selfolia também são campeãs de concursos recentes, sendo a primeira do Mestre Jonas de 2014 e Selfolia do Concurso Mineiro de Marchinhas, em 2015. Neste ano a Orquestra ganhou repercussão nacional com as machinhas Pinto por Cima, que ficou em 3º lugar no Concurso Mestre Jonas e satiriza a polêmica medida tomada pelo prefeito de São Paulo, João Doria, de apagar painéis de grafite espalhados pela cidade, eSolta o Cano, que ficou em 2º lugar no mesmo concurso e brinca com os vazamentos e delações que marcam o noticiário. As canções já ultrapassam a marca de 2 milhões de visualizações nas redes sociais. Todas estão no novo disco que será lançado no domingo de carnaval, em Belo Horizonte.

Além das marchinhas da Orquestra Royal, as músicas irreverentes dos humoristas Hermes e Renato, que estão cada vez mais envolvidos com o carnaval, também farão parte do show. “Estamos muito empolgados com a participação dos ícones do humor Hermes e Renato. Tenho certeza que será uma noite de muitas risadas”, diz Vitor Velloso, idealizador da Orquestra Royal.

Primeiro disco - As Mais Gozadas

Após o Baile da Orquestra Royal, a banda lançará o disco primeiro disco, "As mais gozadas", com 12 marchinhas de carnaval, todas compostas por membros do grupo. Dentre elas, várias consagradas em concursos tradicionais da cidade, como O Baile do Pó Royal e Não enche o saco do Chico (campeãs no Concurso Mestre Jonas de 2014 e 2016 respectivamente), Selfolia (campeã do Concurso Mineiro de Marchinhas 2015). O disco conta ainda com músicas que viralizaram na rede e estão concorrendo este ano, como "Pinto por Cima" e " Solta o cano", que juntas já possuem mais de 2 milhões de visualizações nas redes sociais. https://ssl.gstatic.com/ui/v1/icons/mail/images/cleardot.gif
O show de lançamento do primeiro disco da Orquestra Royal será no dia 26 de fevereiro, domingo de carnaval, às 17h, em evento gratuito na Rua Sapucaí, no bairro Floresta.  O CD, que está disponível nas plataformas digitais, será distribuído gratuitamente durante o evento.
Hermes e Renato

Hermes e Renato é um programa humorístico que surgiu através de filmagens amadoras entre amigos em 1990 em Petrópolis, RJ. Foi desenvolvido por Fausto Fanti, Franco Fanti, Adriano Pereira, Felipe Torres, Marco Andônio Alves, Bruno Sutter e posteriormente Gil Brother.

A brincadeira entre amigos se profissionalizou em 1999 quando os vídeos viraram um programa na MTV Brasil. Nesta emissora o grupo permaneceu no ar ininterruptamente até 2009.
No início de 2010 se uniram a Marcos Mion no programa Legendários da Rede Record, onde permaneceram até 2012, usando o nome Banana Mecânica.
Em 2013 retornaram para a MTV por um ano. Em 2014 o humorístico estrearia no grupo FOX Networks, porém com o falecimento do humorista Fausto Fanti, o programa só estreou em 2015 no canal FX onde continua sendo exibido até o presente.

Serviço:

Orquestra Royal divulga agenda até o carnaval
21/02 – Baile das Orquestra Royal - Terça-feira, às 20h, no Granfinos (com participação dos humoristas Hermes e Renato) (Av. Brasil, 326, Santa Efigênia). Entrada franca (ingressos devem ser retirados pelo site www.sympla.com.br)

25/02 – Cabrobloco - Sábado de carnaval, às 15h – Villa Albertini (Rua Cristal, 137, em Santa Tereza). Ingressos: R$ 35

26/02 – Lançamento do disco “As mais gozadas”.  - Domingo de carnaval, às 17h - Rua Sapucaí, bairro Floresta. Entrada franca  

27/02 – Baile do Distrital – Segunda-feira de carnaval, às 18h – Rua Ouro Fino, 452, Cruzeiro

Assessoria de Imprensa: Grupo Balo de Comunicação – www.grupobalo.com
Heberton Lopes – hlopes@grupobalo.com
Bianca Crispim – imprensa@grupobalo.com
(31) 3077 0606 | (31) 98988-7616





Heberton Lopes
Diretor e jornalista responsável
Skype: hebertonlopes
Telefones: +55 31 3077 0606 | +55 31 98327 5743 (WhatsApp pessoal)
Plantão GBC 24 horas+55 31 98988 7616 (WhatsApp corporativo)
Curta o #GBC no Facebookhttps://www.facebook.com/grupobalocom
Acesse o nosso site: www.grupobalo.com
AssinaturaGBC
#aquiéresultado

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

FRANQUIAS EDUCACIONAIS MOVIMENTAM O SETOR DE INTERCÂMBIO



Como diferencial, 2be Stdy Group oferta mix de serviços estruturados de maneira exclusiva para empreendedores e intercambistas.

Na hora de empreender muitas pessoas ainda tem dúvida se optam por um negócio individual ou se partem para o segmento das franquias. Na hora de avaliar os prós e contras destes dois modelos, o empreendedor não pode deixar de se atentar a coisas básicas, como a familiaridade com o ramo escolhido.

Desta maneira, a 2be Study Group, empresa especializada em intercâmbio cultural e educacional, se torna uma opção vantajosa para estes empreendedores. Afinal, quem não gosta de viajar? Quem não se encanta com a possibilidade de conhecer outros lugares, outras culturas e ainda aprender ou aprimorar um novo idioma?

Focada em destinos como: EUA, Canadá, Europa, Nova Zelândia, Austrália e Irlanda, a empresa que está há 14 ano no mercado, possui 20 unidades, sendo 16 no Brasil, 02 na Australia, 01 na Irlanda e 01 na Flórida.  

Oferecendo experiência única de vivência internacional e a realização de um sonho para os estudantes, a 2be Study Group busca empresários que orientem os intercambistas tanto no Brasil, quanto no exterior, visando a promoção ao empreendedorismo e cidadania através do intercâmbio.

O negócio já é um sucesso, testado e aprovado pelo consumidor e os novos franqueados tem total liberdade para ficar focado na venda e na gestão da unidade, visto que a matriz é quem faz todo o suporte pós-venda (matrículas, visto, etc).

Com unidades que variam entre 30m² e 120m² é possível ser um franqueado da 2be Study Group. Para isso, a franqueadora exige que o interessado tenha concluído o ensino superior, deseje estar à frente do negócio e como diferencial é preciso gostar de viajar, tendo realizado algumas viagens internacionais nos últimos anos. “Assim, sabemos que os futuros intercambistas estarão recebendo dicas e orientações de pessoas que conhecem este universo. Ninguém vende o que não conhece” – resume Alessandra Brandão, presidente do grupo.

A empresa também fica responsável por ministrar treinamentos frequentes para atualizar e sanar as dúvidas dos franqueados, promover encontros, auxiliar na gestão e orientar os franqueados no que for preciso. “É preciso reforçar que o simples fato de adquirir uma franquia, não é sinônimo de sucesso garantido. Embora a taxa de mortalidade de uma franquia seja de apenas 15%, em um prazo de 05 anos” – pontua.

Franquia 2be Study
Metragem Ideal 30m² (mínimo) e 120 m² (máximo)
Projeto Arquitetônico - R$ 4.000 ou R$ 6.000
Obras - R$ 10.000 ou R$ 15.000
Equipamentos - R$ 4.000 ou R$ 5.000
Mobiliário - R$ 10.000 ou R$ 12.500
Informática - R$ 3.000 ou R$ 4.000
Software de Gerenciamento - R$ 1.000 ou R$ 2.000
Treinamento de Funcionários - R$ 3.500 ou R$ 5.500
Marketing de Inauguração - R$ 5.000 ou R$ 8.000
Despesas Gerais - R$ 2.000 ou R$ 3.500
Capital de Giro - R$ 20.000 ou R$ 35.000 (reserva de caixa para os primeiros 6 meses de operação)
Taxa de Franquia R$ 50.000 (independente da metragem)
Taxa de Publicidade: R$ 500,00
Não há cobrança de royalties
*Os valores menores são para as franquias de 30m² e os maiores, para as unidades com 120m².
Franquias 2be Study de 30m² = R$ 102.500
Franquia 2be Study de 120m² - R$136.500

2be Study
Fundada em 2003, a 2be Study Group se consagrou no segmento de educação internacional, oferecendo o intercâmbio ideal para qualquer idade. A única empresa de intercâmbio cultural com mais de 200 escolas em diversos países, oferecendo ao intercambista brasileiro todo o suporte necessário em todas as fases do processo, permitindo assim, que ele tenha a melhor experiência da sua vida ao escolher fazer um intercâmbio, independente do país escolhido (Austrália, Canada, Irlanda, EUA, Reino Unido ou Nova Zelândia). Além das franquias, modelo de expansão pensado para aumentar a capilaridade da empresa, em 2017 a 2be Study começa a trabalhar com representantes comerciais, gerando novos empregos e fonte de renda extra àqueles que já retornaram ao Brasil. Ofertando um mix de produtos diferenciados e exclusivos, a empresa se destaca e conquista novos alunos e parceiros comerciais ao redor do Brasil. www.2bestudy.com.b

Bloco da Cidadania desfila nas ruas de Olinda nesta quarta-feira



A Secretaria de Desenvolvimento Social Cidadania e Direitos Humanos de Olinda (SDSCDH) realiza nesta quarta-feira (22.02) o Bloco da Cidadania. A concentração será às 15h na Rua 10 de Novembro, ao lado do Colégio São Bento, no bairro do Varadouro. O desfile segue em direção à Pitombeira, Rua Prudente de Morais, passa pelos Quatro Cantos, sobe a Ribeira e termina na frente do Palácio dos Governadores, sede da Prefeitura de Olinda.

O objetivo do bloco é celebrar a igualdade e as conquistas dos Direitos Humanos no Carnaval 2017. Além de cair na folia, os integrantes das coordenadorias da secretaria vão aproveitar para distribuir adesivos das ações desenvolvidas pela pasta.

O QUE:Bloco da Cidadania, da Secretaria de Desenvolvimento Social Cidadania e Direitos Humanos de Olinda (SDSCDH)

QUANDO:quarta-feira (22.02) a partir das 15h

ONDE:na Rua 10 de Novembro, ao lado do Colégio São Bento, no bairro do Varadouro

Esclerose múltipla atinge cerca de 30 mil brasileiros, mas ainda é subdiagnosticada



Crônica e debilitante, enfermidade tem impacto socioeconômico crescente. Tratamentos ajudam no controle e podem reduzir custos no longo prazo. Entidades discutem consenso e esperam revisão do protocolo clínico

Quem já ouviu falar da esclerose múltipla sabe que essa doença autoimune causa incapacidade e pode levar à morte. A enfermidade é subdiagnosticada no País e, mesmo assim, já atinge mais de 30 mil brasileiros. Em sua maioria, mulheres adultas jovens, em idade produtiva. O Brasil já conta com os medicamentos mais modernos, que impedem a progressão da patologia.  Mas ainda é preciso avançar no diagnóstico, assim como no acesso e no entendimento sobre o uso das terapias, o que inclui a necessidade de revisão do Protocolo Clínico de Diretrizes Terapêuticas (PCDT) da doença.
 
A esclerose múltipla compromete o sistema nervoso central. É caracterizada pela inflamação crônica e desmielinização da bainha de mielina, que envolve os axônios dos neurônios, por onde passam os impulsos nervosos. “É como se um fio estivesse desencapado e acontecesse um ‘curto-circuito’ no seu cérebro, gerando uma cicatriz, que é a esclerose e pode afetar vários locais no cérebro e na medula espinhal. Essa lesão pode causar desde comprometimento temporário da visão, falta de equilíbrio até sintomas mais graves, como cegueira e paralisia completa dos membros”, explica o médico neurologista Douglas Sato, coordenador do Departamento Científico de Neuroimunologia da Academia Brasileira de Neurologia (ABN), professor do Instituto do Cérebro (Inscer) e da Escola de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS).
 
Por ser incapacitante, quanto mais rápido seu diagnóstico e o início do tratamento, melhor. Segundo Sato, o diagnóstico da esclerose múltipla é feito pela análise dos sintomas (entre eles, fraqueza, formigamento ou dormência nos membros, tremor nas mãos, dificuldade para falar, caminhar ou escrever) e por meio de exames de imagem. Mesmo assim, por ter sintomas comuns a outras patologias, nem sempre o reconhecimento é fácil ou rápido.
 
Outra peculiaridade é o perfil da doença, que geralmente difere de paciente para paciente. “Atualmente, há um consenso entre os médicos especializados em desenvolver um tratamento único para cada indivíduo de acordo com a agressividade e a atividade da doença, por exemplo. Para isso, é fundamental aumentar as opções de medicamentos disponíveis e permitir seu uso de acordo com a atividade da doença, o que é limitado pelo atual Protocolo Clínico de Diretrizes Terapêuticas da doença”, pondera Sato. “Hoje temos de seguir prescrevendo medicamentos em uma sequência que não considera as peculiaridades do paciente. O atraso em atingir as medicações mais apropriadas pode facilitar a presença de surtos e de sequelas permanentes.”
 
Para discutir essa questão, no fim do ano, o Departamento Científico de Neuroimunologia da ABN e o Comitê Brasileiro de Tratamento e Pesquisa em Esclerose Múltipla (BCTRIMS) debateram, durante audiência pública no Ministério da Saúde, a importância do diagnóstico precoce e os critérios atuais para a escolha dos tratamentos. A expectativa é que a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec) avance com a proposta de atualizar o PCDT/SUS e integre novos medicamentos e procedimentos que sejam benéficos para os pacientes, em conformidade com o desenvolvimento científico e tecnológico da área, e o torne mais flexível – permitindo que pacientes com EM de alta atividade tenham acesso a terapias mais potentes.
 
Impacto social – Para Sato, a esclerose múltipla tem um impacto que não se restringe somente ao paciente. “A doença atinge toda a família e a sociedade em geral. Já nos estágios iniciais, ela tira a qualidade de vida do indivíduo e reduz sua capacidade produtiva, o que abala também sua saúde emocional, além de gerar custos crescentes para todo o sistema de saúde se não for bem tratada desde o início.”
 
De acordo com o protocolo clínico de tratamento, a classificação da esclerose múltipla é feita por meio de uma escala que qualifica as incapacidades geradas pela evolução da doença – a Escala Expandida do Estado de Incapacidade de Kurtzke (EDSS). Essa escala estabelece o nível de comprometimento causado pela doença, que vai de zero, quando não há comprometimento neurológico, até 10 – o que se traduz pela morte do indivíduo. Quanto mais alto o índice na EDSS, maior é o custo desse tratamento, que abrange consultas médicas, reabilitação com diversos profissionais de saúde, até, nos casos avançados, internações hospitalares. “Esses são os custos diretos. Os indiretos estão relacionados a perda ou diminuição de salário, pensões por incapacidade ou invalidez, entre muitos outros. E também existem os intangíveis, relacionados à família de quem tem a doença, e se traduz por estresse, ansiedade, depressão...”
 
Há estudos americanos e europeus que mostram os valores gastos com a doença. Nos Estados Unidos, esse montante chega a mais de US$ 10 bilhões por ano. Já na Europa, o número é de aproximadamente € 14,6 bilhões. No Brasil, o custo total de medicamentos, entre 2006 e 2009, foi de cerca de R$ 360 milhões. No entanto, os gastos públicos gerados pelo tratamento aumentaram mais de sete vezes no mesmo período, chegando a mais de R$ 200 milhões.
 
“Temos de diagnosticar e prescrever o que é o mais adequado para o paciente de acordo com a atividade da doença, seu histórico médico e as terapias disponíveis. Isso inclui reconhecer que diferentes tratamentos podem ser eficazes para os distintos momentos dos pacientes e saber como integrá-los, quando necessário”, completa o especialista. E quanto maior o acerto menor a evolução da doença e a ampliação dos cuidados médicos, o que reflete em menor custo da doença por paciente tratado e em mais qualidade de vida e produtividade para o indivíduo.
 
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já tem registrados nove diferentes medicamentos para o tratamento da esclerose múltipla. Seis deles estão disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS). Já a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), está atualmente discutindo seu rol de medicamentos, e a inclusão de tratamentos para esclerose múltipla faz parte do debate.  

Abaixo, segue para download, link da EDSS.
 

Arquivos em Anexo


Infografico-EDSS.png

-- 

LLORENTE & CUENCA

Tuca Figueira
Gerente de Contas

+55 11 3054 3343  / +55 11 99650-4776
Rua Oscar Freire, 379 - São Paulo
Rua da Assembleia, 10 - Rio de Janeiro

Companhia de Comunicação do Ano (International Business Awards 2016)
PRWeek Global Awards Winner 2015

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Entidades sindicais apoiam proposta da OAB substitutiva à Reforma da Previdência


Representantes de classes trabalhistas se unem à OAB em documento que visa reduzir os efeitos negativos das mudanças sugeridas pelo governo para a aposentadoria.

Na manhã desta quarta-feira (15), após reunião realizada em Brasília (DF) com representação da Associação Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil (Anfip), um grupo de entidades sindicais de 12 estados (CE, ES, DF, GO, MA, MG, PA, PR, RJ, RS, SC e SP), lideradas pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade (Contratuh), decidiu apoiar o documento criado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em substituição à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287, que trata da Reforma da Previdência.

“Nos reunimos com um representante da Anfip para termos total entendimento da reforma previdenciária e, depois de um amplo diálogo interno, decidimos que seria de extrema importância para os trabalhadores brasileiros nos unimos à OAB para tentar mudar o formato da PEC 287. Se aceitarmos teor da proposta da forma que foi colocada, iremos sucatear a Seguridade Social e se aposentar será quase impossível”, alertou Moacyr Roberto Tesch Auersvald, presidente da Contratuh e diretor da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST).

Entre as mudanças sugeridas pelo substitutivo, estão a eliminação de idade mínima obrigatória para toda e qualquer aposentadoria, a vedação de remissões e de anistias para devedores da Previdência Social e a vedação de que os recursos da Seguridade Social possam ser desviados ou desvinculados de sua finalidade constitucional (o que afasta os impactos negativos da Desvinculação das Receitas da União - DRU no equilíbrio orçamentário do sistema). Mas as entidades fazem ressalvas ao documento da OAB, como a questão da não acumulação de pensão com aposentadoria no mesmo regime e a igualdade de idades entre homens e mulheres -- hoje a diferença do só existe para trabalhadores rurais e deficientes.

“O contexto dessa reforma é o de sempre: o mercado buscando novos mecanismos de auferir lucro, pois a previdência tem uma parte significativa da iniciativa privada. A proposta de reforma precisa ser mais inclusiva, em prol da justiça social. Não se pode apenas retirar direitos adquiridos”, explicou o auditor fiscal da Previdência Floriano Martins de Sá Neto, vice-presidente de Política de Classe da Anfip.

Entidades discordam de “rombo na Previdência”
A Reforma da Previdência é um dos temas mais polêmicos do governo Michel Temer. Em proposta enviada pelo governo ao Congresso Nacional no fim de 2016, a idade mínima para todos os trabalhadores aposentarem será de 65 anos e haverá uma regra de transição a partir dos 50 anos. Segundo o governo, a Previdência fechou 2016 com um rombo de R$ 149,73 bilhões.
 
“Esse discurso é falacioso. Déficit da Previdência não existe, pois ela não tem receita única e faz parte da Seguridade Social. Se formos falar em déficit ou superávit, tem que ser num conjuntos da Seguridade. Em 2015, por exemplo, em plena crise econômica, somando receitas e despesas, houve saldo de 11 bilhões de reais”, explicou Floriano de Sá

Enviado por Fábio Busian

Dra. Liana Ventura recebe a Medalha de Ouro Moacyr Álvaro durante 40º Simpósio Internacional de Oftalmologia


-Devido à trajetória de sua carreira em benefício da Prevenção da Cegueira e Preservação da Visão -
Hoje, às 18h30, Dra. Liana recebe a Medalha de Ouro Moacyr Álvaro, a mais importante condecoração Oftalmológica da América Latina, durante a abertura do 40º Simpósio Internacional de Oftalmologia, no Teatro Maksoud em São Paulo, pelo Prof. Rubens Belfort Jr., Presidente do Instituto Paulista de Estudos e Pesquisas em Oftalmologia – IPEPO e Professor Titular de Oftalmologia da EPM - UNIFESP. 

A Medalha de Ouro Moacyr Álvaro, conferida anualmente, premia aqueles, que têm se destacado por seus trabalhos em benefício da Prevenção da Cegueira e Preservação da Visão. Dra. Liana Ventura é Presidente da Fundação Pan Americana de Oftalmologia (2016-2018) e do Conselho Curador da Fundação Altino Ventura e Coordenadora do Departamento de Oftalmologia Pediátrica e Estrabismo do Hospital de Olhos de Pernambuco e merece esta honraria devido ao seu trabalho.

Dra. Liana Ventura começou sua carreira no curso de medicina da Universidade Federal de Pernambuco, participou do Programa Fellowship em Oftalmologia Pediátrica na Universidade de San Juan, em Porto Rico, fez o Doutorado na Universidade de Minas Gerais e Mestrado em Administração da Prática Oftalmológica na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Em 2006, Dra. Liana Ventura fundou o Centro Especializado em reabilitação “Menina dos Olhos”, para atender pacientes com visão subnormal, cegueira e múltiplas deficiências da população de baixa renda. Em 2014, este serviço foi reconhecido pelo Ministério da Saúde com competência para atender as deficiências: visual, auditiva, motora e intelectual.

A premiada e os pesquisadores da Fundação Altino Ventura realizaram uma parceria com os pesquisadores da UNIFESP para descobrir os achados oculares de retina e de nervo ótico, deficiência visual nas crianças com a Síndrome Congênita do Zika Vírus. O Programa de Atenção Especializada Multidisciplinar da Fundação Altino Ventura para Crianças com Síndrome Congênita do Zika Vírus e para suas famílias/cuidadores já diagnosticou 376 crianças com suspeita desta síndrome.

Sobre a IPEPO:
O Instituto Paulista de Estudos e Pesquisas em Oftalmologia – IPEPO é uma entidade sem fins lucrativos, de caráter filantrópico, fundada em 1990 por docentes do Departamento de Oftalmologia da EPM – UNIFESP.
Desde esta época, o IPEPO presta serviços médicos por meio de diagnósticos, tratamentos clínicos e cirúrgicos em projetos de pesquisa, assistenciais e didáticos com a missão de promover, de modo sustentável e inovador, a gestão de recursos, apoiando o ensino, pesquisa e assistência oftalmológica.
Informações à imprensa:
Jornalista: Vanessa Pirolo
Tel.: 11 20637638/ 993872603
Email: vanessapirolo@animapress.com.br





-- 
Vanessa Pirolo
Assessora de Imprensa
Telefone 11 2063-7638/ 9387-2603

A jornada da Transformação Digital


Por Mario Almeida, diretor de mobilidade e ecofluig da TOTVS 
 
Os últimos 100 anos foram emocionantes, da evolução das radiocomunicações, passando pelos transmissores, os chips, os satélites e chegando aos PCs e a web. Tudo mudou e cada vez mais rápido. Hoje, vivemos a era da computação em nuvem, dos aplicativos e, claro, da realidade virtual. Essa última deixou de ser um desejo só para os gamers e passou a ser alvo de empresas varejistas, manufaturas, além dos setores de logística e medicina. 
 
Com tantos acontecimentos e mudanças de comportamentos, e até de conceitos, fica estranho imaginar que os seus processos de negócio e o seu mercado não tenham sido atingidos. Eles foram profundamente impactados, serão mais ainda, e tudo isso pode ser a sua grande oportunidade.
 
Sendo um pequeno varejista, uma grande indústria ou ainda um produtor rural, você sabe que o seu negócio é regido pelas mesmas regras há pelo menos 50 anos. Mas você também sabe que o malote do banco não existe mais, que o seu contador emite guias eletronicamente, que o seu estoque pode ter sensores para contagem automática, que a sua plantação pode ser rastreada via satélite ou drones e que o cliente, muitas vezes, sabe mais sobre seu negócio do que o vendedor. 
 
A transformação digital não é uma moda passageira. O termo propagado pelo Gartner existe, basicamente, para explicar que empresas e governos passam por uma onda de mudanças profundas: os processos nunca mais serão como antes. Hoje e amanhã, a avalanche de softwares em nuvem, aplicativos e inteligência artificial com analytics vai sacudir as bases do seu negócio, mudar o seu mercado consumidor, mas sobretudo, ela dará muito mais controle, muito mais possibilidades e, claro, muito mais oportunidades! 
 
O paradoxo entre controle e criatividade na gestão sempre foi um tema quente nas escolas de negócios e entre consultores; pois bem, a digital transformation é uma abordagem que compreende essa suposta dicotomia. 

 
A tecnologia e a forma de trabalhar 
 
Atualmente, é inadmissível ter áreas em uma mesma empresa que não se conversam e se ajudam.  O trabalho colaborativo não alienado, é a base da criatividade e isso é possível graças às plataformas de digital workplace, um ambiente único, onde o controle e a liberdade não são antagônicos. 
 
Por exemplo, ter portais, chats e workflows integrados aos sistemas de core business e contar com arquivos organizados em um ambiente digital - com inteligência artificial para fazer a gestão do conhecimento automaticamente - oferece as melhores respostas para qualquer busca. 
 
Os dados - que na era digital valem mais do que dinheiro – tornam-se peça fundamental da sua estratégia. Conhecendo bem seu negócio, por dentro, fica muito mais fácil aplicar e correlacionar esses dados com as informações do seu mercado, da sua região e por aí vai. 

Só existe uma certeza para os próximos 100 anos: vamos viver micro revoluções a cada cinco anos, em média. Os processos engessados não te levarão longe e uma empresa pequena ou média vai ter as mesmas vantagens que uma corporação global, já que o acesso à sistemas ficou muito mais barato, graças ao custo decrescente dos chips de memória e processamento em nuvem. 
 
Você pode ter dentro da sua empresa uma plataforma de desenvolvimento e construir você mesmo a sua transformação digital. 
 
A sua jornada está só começando!


Informações TOTVS para a imprensa: 
RMA Comunicação
Viviane Andrade – viviane.andrade@agenciarma.com.br – (11) 2244-5917
Marina Escarminio – marina.escarminio@agenciarma.com.br – (11) 2244-5984
Marina Zimmaro – marina.zimmaro@rmacomunicacao.com.br – (11) 2244-5935
Maíra Porto – maira.porto@rmacomunicacao.com.br – (11) 2244-5958
Olivia Nercessian – olivia.nercessian@rmacomunicacao.com.br - (11) 2244-5992
​Olá, tudo bem?
 
O Mário Almeida, diretor de mobilidade e ecofluig da TOTVS, escreveu um artigo sobre a jornada da Transformação Digital e como as empresas podem se preparar para mudanças profundas em seus processos. Além disso, o executivo aponta como obter mais controle na gestão dos negócios e aumentar possibilidades.
 
Você tem interesse pelo artigo? Abaixo envio o material completo.
 
Um abraço e obrigada,